Rubem Alves: sobre casamento

É bom atentar para o que o papa diz. Porta-voz de Deus na Terra, ele só pensa pensamentos divinos. Nós, homens tolos, gastamos o tempo pensando sobre coisas sem importância tais como o efeito estufa e a possibilidade do fim do mundo. O papa vai direto ao que é essencial: “O segundo casamento é uma praga!”
Está certo. O casamento não pertence à ordem abençoada do paraíso.

No paraíso não havia casamento. Na Bíblia não há indicação de que as relações amorosas entre Adão e Eva tenham sido precedidas pelo cerimonial a que hoje se dá o nome de casamento: o Criador, celebrante, Adão e Eva nus, de pé, diante de uma assembléia de animais, tudo terminando com as palavras sacramentais: “E eu, Jeová, vos declaro marido e mulher. Aquilo que eu ajuntei os homens não podem separar…”

Os casamentos, o primeiro, o segundo, o terceiro, pertencem à ordem maldita, caída, praguejada, pós-paraíso. Nessa ordem não se pode confiar no amor. Por isso se inventou o casamento, esse contrato de prestação de serviços entre marido e mulher, testemunhado por padrinhos, cuja função é, no caso de algum dos cônjuges não cumprir o contrato, obrigá-lo a cumpri-lo.

Foi um padre que me ensinou isso. Ele celebrava o casamento. E foi isso que ele disse aos noivos: “O que vos une não é o amor. O que vos une é o contrato”. Aprendi então que o casamento não é uma celebração do amor. É o estabelecimento de direitos e deveres. Até as relações sexuais são obrigações a ser cumpridas.
Agora imaginem um homem e uma mulher que muito se amam: são ternos, amigos, fazem amor, geram filhos.

Mas, segundo a igreja, estão em estado de pecado: falta ao relacionamento o selo eclesiástico legitimador. Ele, divorciado da antiga esposa, não pode se casar de novo porque a igreja proíbe a praga do segundo casamento. Aí os dois, já no fim da vida, são obrigados a se separar para participar da eucaristia: cada um para um lado, adeus aos gestos de ternura… Agora está tudo nos conformes. Porque Deus não enxerga o amor. Ele só vê o selo eclesial.

O papa está certo. O segundo casamento é uma praga. Eu, como já disse, acho que todos são uma praga, por não ser da ordem paradisíaca, mas da maldição. O símbolo dessa maldição está na palavra “conjugal”: do latim, “com”= junto e “jugus”= canga. Canga, aquela peça pesada de madeira que une dois bois. Eles não querem estar juntos. Mas a canga os obriga, sob pena do ferrão…

Por que o segundo casamento é uma praga? Porque, para havê-lo, é preciso que o primeiro seja anulado pelo divórcio. Mas, se a igreja admitir a anulação do primeiro casamento, terá de admitir também que o sacramento que o realizou não é aquilo que ela afirma ser: um ato realizado pelo próprio Deus. Permitir o divórcio equivale a dizer: o sacramento é uma balela. Donde, a igreja é uma balela… Com o divórcio ela seria rebaixada do seu lugar infalível e passaria a ser apenas uma instituição falível entre outras. A igreja não admite o divórcio não é por amor à família. É para manter-se divina…

A igreja, sábia, tratou de livrar seus funcionários da maldição do amor. Proibiu-os de se casarem. Livres da maldição do casamento, os sacerdotes têm a suprema felicidade de noites de solidão, sem conversas, sem abraços e nem beijos. Estão livres da praga…”

Texto de Rubem Alves publicado na Folha na qual foi enviado pelo leitor Rafael 😉

Anúncios

16 Responses to “Rubem Alves: sobre casamento”


  1. 1 Alaide 30 maio, 2008 às 17:11

    Parabéns por fazer esse blog!!!!
    Adoro o Rubem!

    Abraços!

  2. 2 Adriel 31 maio, 2008 às 2:28

    obrigado 😉
    embora como deve dar para perceber, ando deixando a desejar quanto à atualizações

  3. 3 Cris 11 junho, 2008 às 11:39

    Gosto muito de Rubem Alves e como vc disse…podia atualizar o blog de vez em qndo…
    bjo…..

  4. 4 Alaide 12 junho, 2008 às 14:24

    Imagino que seja falta de tempo né…
    Mas enfim, quando não dá, fazer o que, a gente fica na espera não tem problema! rsrs
    Beijo!

  5. 5 roberto 25 junho, 2008 às 12:48

    oi tudo ben gostei muito dos seus livros vc e um bom escritor go

  6. 6 Maria do Carmo Cruz 25 junho, 2008 às 18:50

    Fantástica a claridade do pensamento deste homem, o seu finíssimo humor e a pertinência do assunto. Ando a ver se consigo comprar e ler tudo o que eu puder sobre ele. Obrigado, Rubem.

  7. 7 Vera Lúcia B.Castro 28 setembro, 2008 às 2:37

    salve a inteligência de ruben Alve!!

  8. 8 Vera Lúcia B.Castro 28 setembro, 2008 às 2:43

    Na minha faculdade eu tenho uma aula chamada prática de ensino e só trabalhamos com os textos de Rubem Alves, por sua capacidade de ligar fatos com realidade com com tanta clareza. Quem lê Rubem Alves toma gosto e vicia.

  9. 9 Fátima Pestana 16 dezembro, 2008 às 13:03

    Moro em Portugal, Lisboa, cidade onde você nasceu. Leio sempre o seu blog. Há um artigo seu sobre o baptizado que eu queria muito reler e não encontro, e que é mágico, gostaria que me indicasse onde posso encontrá-lo. Gosto muito do que escreve. Sou uma sobrevivente de cancro e no meu processo de luta contra a doença, a par de outros autores que eu admiro muito, as suas palavras sempre me inspiraram a não desistir e a pensar sempre positivo, até porque tinha uma netinha a caminho, que está agora a meu cargo. Obrigada simplesmente

  10. 10 alcina maria silva azevedo 21 dezembro, 2008 às 23:42

    Ruben Alves é o meu escritor brasileiro preferido. Tem além do talento natural, uma forma hilariante e apaixonada ao mesmo tempo em dizer as coisas da vida. O que ele diz sobre o casamento estou em perfeito acordo com o mesmo. A Igreja realmente erra, quando proibe as pessoas de serem felizes casando-se novamente. A igreja é contrária as leis do amor, pois nem sempre o casamento é realizado dentro da lei do amor, mas sim pelos interesses, pela carência afetiva, medo de ficar só, enfim para esses, é uma prisão que dura enquanto não houver coragem para sairem dele.
    Parabéns Rubem Alves! Seus textos sempre me fazem bem e gosto muito.
    Gostaria de saber seu e-mail, seria possível? Também moro em Campinas.
    Parabenizo o blog e Rubem Alves mais uma vez.
    Abraços.
    Alcina Maria Silva Azevedo
    e-mail= alcinamarias@yahoo.com.br

  11. 11 PATRICIA 23 outubro, 2009 às 15:11

    ESTOU AMADA DE RUBEM ALVES

  12. 12 lady dell 6 janeiro, 2010 às 15:45

    Rubem,ja disse uma vez que adoro ler-te..e tb acho lindo qdo vc sita,alberto caeiro..em seus livros..falo nisso pq estou lendo agorinha uns poemas dele..e estou assim…encantada! ..ma s meu encanto maior e vc fique calmo!!
    afinal vc q me fez conheçer as entrelinhas de Caeiro fico feliz em poder sentir td que vcs genios,das palavras falam com tanto encanto…isso q me faz sonhar!!qdo me deixo levar por vcs tenho receios…afinal…vou tao longe!!estou com 55 anos acredite..agora q estou tomando gosto pela leitura..culpa sua…rs ma s que bela culpa eim…fazer eu..uma lady voar por eses sonhos…pensamentos longincuos…ahhhhmuito obrigaga!!1,meu mestre!!Rubem!!
    bjx da lady

  13. 13 Gerliann Aquino 30 abril, 2010 às 14:43

    Como não poderia ser diferente, Rubem Alves, nessa construção textual traz uma idéia amplamente sofisticada acerca do instituto do casamento, propiciando ao leitor um misto de aprendizado e humor – ingredientes típicos de seus belíssimos textos. Eu, particularmente, compartilho da idéia deste mestre, eis que o matrimônio deveria assemelhar-se mais ao conceito que se tem de paraíso, já que, em tese, as duas pessoas estão juntas por vontade própria e em decorrência de um sentimento mútuo existente entre ambos…

    Parabéns pela iniciativa de postar os lindos textos de Rubem Alves.

  14. 15 LINA 30 abril, 2012 às 15:28

    Eu nao me canso de ouvir videos de rubem Alves!!!


  1. 1 Família, Casamento e Sexo (na Visão do Cristianismo, em Perspectiva Histórica) | Theological Space Trackback em 29 novembro, 2015 às 15:21

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Arquivos

Assinatura do blog

Comentários recentes

Elzenir Neves em Escola e Sofrimento
Maria Luiza Saraiva… em Sobre os perigos da leitu…
Criatianne em Sobre os perigos da leitu…
Criatianne em Sobre os perigos da leitu…
Leandro Santos em Que pipoquem experimentos!

Textos


%d blogueiros gostam disto: